Imagem do Leste da Região Metropolitana de Curitiba



Nesta imagem que aparece acima, tirada do Google Maps hoje a tarde e montada por mim, aparece a situação atual da ocupação no Leste de Curitiba. No Local onde está escrito Curitiba fica o Bairro Alto, que atualmente tem aproximadamente 80 mil habitantes. No canto esquerdo da foto aparece o Jokey Club, e a direita da linha vermelha tudo o que aparece é Região Metropolitana, principalmente Pinhais. Pinhais tem aproximadamente uns 110 mil habitantes. Também no lado direito aparece o Alfaville, e alguns quilômetros mais ao leste, na direita da foto, vemos alguns loteamentos.
No canto inferior da foto, há uma grande avenida que faz um contorno sinuoso e depois se encontra com outra avenida mais ao centro da foto. Por ali passa o único sistema de grande capacidade da região, o Bi-articulado Pinhais/Rui Barbosa. A aveninda com a qual ela cruza é vira a Vitor Ferreira do Amaral, que passa ao lado do Jokey Club e vai até o centro da cidade. Note-se que numa área onde vivem mais de 200 mil pessoas só há uma alternativa próxima de transporte de grande capacidade. Também é possível notar que a densidade de domicílios nesta área é quase sempre inferior a 80 hab/he. Não há prédios com mais de 4 andades e mesmo estes são raros.
Há algumas fábricas e o Alfaville como destaque. Muita desta área verde será convertida nos próximos anos em conjuntos habitacionais. Também é importante mencionar que uns 10 km mais ao leste, ou seja, à esquerda da foto, fica a cidade de Piraquara, onde moram mais de 50 mil pessoas. Creio que no futuro, não muito distante, muito mais gente irá morar nesta área verde que sobrou. Isto é efeito da ocupação populacional dispersa. O Alfaville certamente será engolido pela classe média baixa que o cerca.
Como comentário final, não há ciclovias, nem novos projetos de transporte para atender toda esta gente, da qual uma parcela crescente recorre ao automóvel para ir ao trabalho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ELEITOR BRASILEIRO E O EFEITO MÚCIO

O PROBLEMA DO DÉFICIT HABITACIONAL - PARTE 2

Sobre mobilidade urbana