Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2008

A CULPA PELO TRANSPORTE PÚBLICO RUIM NÃO É DA CLASSE MÉDIA

Imagem
Por Fernando R.   Neste domingo, novamente a Gazeta do Povo publicou uma reportagem sobre o transporte urbano em Curitiba, com o título "Por que a classe média foge do ônibus?". As deficiências no transporte público são apresentadas, mas outra vez as agressões vão contra o transporte individual, que é considerado como o grande beneficiado das políticas urbanas, com o aumento de pistas, facilidades de estacionamento, etc. A redução no número de passageiros transportados nos ônibus em Curitiba é apontada como tendo uma relação direta com o aumento da frota de veículos. O raciocínio básico é o seguinte: quando mais automóveis, menos passageiros nos coletivos. No entanto algumas das informações apresentadas pelo jornal permitem desmenti-lo em relação sua hipótese básica. A redução ou crescimento no número de passageiros no transporte coletivo não tem uma relação direta com o aumento da frota de veículos particulares. Como eu já demonstrei em outro texto, existe uma relação

DISCUTINDO HANS HERMANN HOPPE: PERIGOS DOGMATISMO LIBERAL

DISCUTINDO HANS HERMANN HOPPE: PERIGOS DOGMATISMO LIBERAL [i]   Por Fernando Raphael Ferro de Lima.   O autor, no capítulo 2 do livro " Uma Teoria sobre o Socialismo e o Capitalismo " [ii] , se propõe a analisar os conceitos elementares ou naturais e que serão empregados para conhecer as diferenças entre o socialismo e o capitalismo. Ele parte do princípio de que todas as sociedades são, em alguma medida, socialistas e capitalistas, sob diversos aspectos. Apesar de liberal e simpático as idéias do autor, vou neste texto empreender uma crítica do capítulo 2 onde são desenvolvidas as definições de capitalismo, socialismo, agressão e propriedade, e apontar o problema para o campo onde as definições simples dos liberais tem levado têm permitido a vitória dos "socialistas": o campo dos costumes. Na economia, atualmente há um consenso generalizado de que a propriedade privada e a competição são os melhores meios de se estimular a produtividade, e que, portanto

ASLFALTO É O PRINCIPAL DESEJO DOS CURITIBANOS

ASFALTO É O PRINCIPAL DESEJO DOS CURITIBANOS. por Fernando R.               Num texto na Gazeta do Povo de domingo discute-se o resultado da pesquisa que fora feita entre os curitibanos em 2008, às vésperas das eleições municipais e o compara com outra, feita nos anos 1970 antes da principais "soluções" urbanistas serem implementadas na cidade. A principal reivindicação dos curitibanos era, e ainda é, por pavimentação adequada nas ruas.             O autor do texto no jornal tenta argumentar porque as pessoas se preocupam apenas com o asfalto deixando as outras questões de lado, e assim procura mostrar que os políticos devem agir como visionários, vendo os problemas que o povo não enxerga. Além disso, aponta-se que Curitiba é uma cidade que conseguiu fugir da armadilha dos viadutos, e que as soluções urbanísticas são possíveis na cidade.             Já faz algum tempo que eu ando meio sem paciência com a arrogância dos urbanistas e jornalistas de Curitiba e sua pret

PROBLEMAS DE DIFÍCIL SOLUÇÃO: SAÚDE, EDUCAÇÃO E ECONOMIA

PROBLEMAS DE DIFÍCIL SOLUÇÃO: SAÚDE, EDUCAÇÃO E ECONOMIA   Por Fernando R.               Há vários problemas sociais de solução complexa, que muitas vezes levam a propostas simplistas oferecidas pelos liberais. Os sistemas de saúde e educação são exemplos deste tipo de problema. Porque ambos os campos do conhecimento são fundamentais para o aumento da produtividade da economia, já que garantem que os trabalhadores vivam melhor e por mais tempo, e tenham uma vida profissional mais rica e criativa.             Nas sociedades modernas a escolha foi pelo subsídio a estas áreas da vida social, normalmente garantidas pelo estado como direitos fundamentais no homem. Mesmo nos EUA, que são a terra da liberdade e oportunidade, a educação e a saúde continuam sendo, de uma forma ou de outra, subsidiadas.             Estes problemas são de difícil solução porque as forças de mercado não suficientes para dar uma solução satisfatória para eles. É muito claro o efeito que decorre de uma