Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2018

A VOLTA DA POLARIZAÇÃO ESQUERDA E DIREITA

Imagem
Por Fernando Raphael Ferro Hoje, 29 de outubro, no Estado de S. Paulo, o professor Denis Rosenfield comentou a volta da polarização entre esquerda e direita no Brasil. Ele comentou o fim do predomínio da esquerda no campo político, cuja cena foi dominada pela dualidade PT/PSDB desde 1994 até 2014, e a ascensão nesta última eleição de um novo antagonismo marcado por duas faces de uma nova direta: aquela mais conservadora, representada por Jair Bolsonaro, e outra mais liberal, no sentido econômico clássico e não no sentido americano do termo, representada por João Amoedo. Aí começamos a questionar as razões que levaram a esta ascensão da “direta” no país, uma vez que a “esquerda” ocupa ainda praticamente todos os nichos culturais de peso: as artes, a música, as universidades e fundações e as redações dos principais jornais ainda são predominantemente de esquerda e guardam claramente um viés “social-democrata”. As pautas do politicamente correto avançaram ano após ano por meio dos

COMENTÁRIOS SOBRE O CENÁRIO ATUAL

Imagem
Por Fernando Raphael Ferro. Passar todo o tempo que passei em silêncio, sem escrever ou comentar publicamente tudo que está acontecendo no país tem sido um exercício difícil. A vontade de me pronunciar sobre os absurdos é sempre muito grande. Mas aí vão alguns comentários fresquinhos sobre algumas coisas que não posso deixar de dizer. MORTE DO PSDB O PSDB morreu. Ficou claro nas eleições. Perdeu o governo de Minas Gerais para o NOVO, está perto de perder São Paulo para o Márcio França, e irá ficar com o Rio Grande do Sul como prêmio de consolação. O que não é necessariamente uma vitória, tendo em vista aquele estado encontra-se virtualmente falido. Foi varrido para a insignificância no Paraná, e em nível nacional, teve uma derrota gigantesca com o 4º lugar de Alckmin. A razão é relativamente clara. O PSDB nunca representou coisa nenhuma. Foi apenas o anti-PT. Os brasileiros que não queriam o PT votaram em Collor. Depois, em Fernando Henrique Cardoso. FHC foi eleito pelo PT