Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2013

PORQUE AS TENTATIVAS DE COMBATE A INFLAÇÃO DA DILMA ESTÃO FADADAS AO FRACASSO

Imagem
Por Fernando R. F. de Lima. Todas as tentativas empregadas pelo Governo Federal desde 2011 para segurar a inflação tem se mostrado frustrantes. Quando se atinge o teto da meta, perde-se o ritmo de crescimento. Quando o crescimento parece voltar, a inflação estoura o teto da meta, de já elevados 6,5% ao ano. O governo tenta reagir dizendo que não brinca com a inflação, ao mesmo tempo em que diz que não adotará políticas que reduzam o crescimento. Recentemente o governo admitiu que na próxima reunião do COPOM poderá haver aumento da taxa básica de juros, como tentativa de amarrar o dragão inflacionário, mas ainda assim, com emprego de uma alta gradual dos juros, dificilmente o governo conseguirá fechar este ano e o próximo numa situação de inflação confortável. Por que todas estas tentativas estão fadadas ao fracasso? Basicamente, a resposta é porque a equipe econômica do governo Dilma não entende o que é uma economia de mercado, mas compreende bem como ganhar uma eleição.

AS MENTIRAS QUE OS PROFESSORES DE GEOGRAFIA CONTAM PARA SI PRÓPRIOS

Imagem
Por Fernando R. F. de Lima. Professores, de qualquer disciplina, mas de geografia, que é meu foco, quando atacados em sua zona de conforto tornam-se criaturas muito agressivas. Na elaboração da defesa de suas práticas, tendem a buscar culpados e a contar novas mentidas, desta vez para si próprios. Obviamente, este comportamento irresponsável de sempre atribuir aos outros a culpa pelos próprios atos é em si mesmo uma amostra do tipo de ideologia que permeia toda a sociedade. Como diz Luiz Felipe Pondé , a ideologia de que o homem é bom, mas corrompido pela sociedade má, permeia quase toda a cultura. Para defender, portanto, a pureza de sentimentos dos professores de geografia que ensinam bobagens aos alunos, cheias de teorias ultrapassadas, a culpa recai sobre dois tipos malévolos: os escritores de livros didáticos e os diretores de escola. No entanto atribuir a escolha do livro ao diretor da escola é a) mostrar desconhecimento da realidade do ensino brasileiro, tanto privado qu

O LEGADO DE THATCHER

Imagem
Por Fernando R. F. de Lima Não sendo grande conhecedor da biografia pessoal da ex-primeira Dama britânica, me atrevo a escrever sobre seu legado para o mundo como um admirador e militante da causa liberal. Em minha opinião, o maior legado de Thatcher foi mostrar ao mundo que uma política de redução do tamanho do Estado é viável mesmo numa sociedade absolutamente intoxicada por ideias socialistas. Ela levantou a bandeira do bom senso, que diz que as pessoas devem lutar por aquilo que desejam e não esperar que caia do céu, seja um objeto de luxo, seja o pão (ou o leite) de cada dia. Thatcher também foi uma grande defensora do Estado Nacional, contra a União Europeia ou a ONU no que diz respeito a direitos e deveres na comunidade internacional. Não tolerou a agressão da Argentina, utilizando o poder da dissuasão militar para mostrar que a soberania de um país deve ser sempre inviolável. Neste ponto, apesar da redução do tamanho do Estado na economia, manteve a importância desta

PARA QUE SERVE A GEOGRAFIA ESCOLAR?

Por Fernando R. F. de Lima. Em pleno século XXI, século que viu a grande revolução dos sistemas de informação geográfica, para que serve a geografia escolar? Num século em que as capitais dos países, o clima das cidades, os mapas urbanos, regionais, temáticos e todas as informações “socioeconômicas” estão disponíveis ao alcance de um ou dois cliques, para que serve abrir um livro didático cheio de mapas defasados, gráficos ultrapassados e explicações eivadas de ideologia e carentes de lógica? Ao contrário de parcela significativa da má formada parcela dos geógrafos, não acredito em ciência de síntese. Ninguém, nenhum ser humano é capaz de acumular conhecimentos das diversas áreas para ter uma visão holística, abrangente e conciliadora do conhecimento humano nas áreas física e humana. Todo progresso cientifico até os dias de hoje sempre foi produzido por especialistas. Desde o século XIX, os gênios generalistas foram diminuindo de intensidade, e hoje nota-se que suas contribuiçõ