Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2016

Ocupação das Escolas

Imagem

GERAÇÃO TODDYNHO PROTESTANDO PELA EDUCAÇÃO

Imagem
Por Fernando Raphael Ferro. Seria cômico se não fosse trágico o papel novamente desempenhado pela “educação” no Estado do Paraná. A turminha que no ano passado se envolveu na mais sangrenta batalha contra a polícia militar, quando a mando da CUT, PT e APP tentaram invadir a Assembleia Legislativa, promove agora em parceria com a UPE uma invasão ridícula e absurda das escolas seguida de mais uma greve de professores. Como pretexto utilizam as bandeiras de mobilização contra a MP da reforma do ensino médio e a PEC do teto de gastos, ambas as bandeiras nacionais que não causaram maiores comoções em outros estados. Ao contrário, chega a ser ridiculamente reacionária a revolta dos estudantes contra uma reforma de um sistema de ensino médio tão atrasado quanto o nosso. Reacionários, a propósito, é a palavra que melhor se adequa a militância de esquerda hoje presente no Estado: são contra a reforma da previdência, atualmente o maior mecanismo concentrador de renda no país; cont

DIA DE ELEIÇÕES – A PALHAÇADA LEGISLATIVA SE REPETE

Imagem
DIA DE ELEIÇÕES – A PALHAÇADA LEGISLATIVA SE REPETE Por Fernando Raphael Ferro de Lima.             Este ano de 2016 foi caracterizado por campanhas de custo mais baixo, menor poluição visual, e uma relativa renovação nos quadros políticos. Aqui em Curitiba, para além da derrota humilhante de Gustavo Fruet (PDT), atual prefeito, que não consegui passar para o segundo turno, tivemos também uma humilhação completa e definitiva do PT, que só elegeu um vereador dentre os 38 possíveis.             Mas o foco deste texto não e comentar o que todos comentam, que seria o resultado eleitoral e blá, blá, blá, com os cenários para o segundo turno. Meu objetivo é outro: mostrar como é ridiculamente falho o sistema de representação adotado no Brasil, é que o voto em lista aberta.             Aqui em Curitiba tivemos 1085 candidatos a vereador, dos quais 156 fizeram mais de 1.000 votos. O candidato eleito com menos votos recebeu a confiança de 3.006, enquanto o primeiro dos derrotados