Postagens

Mostrando postagens de Março, 2014

HOJE FAZ 8 ANOS QUE OBTIVE O TÍTULO DE MESTRE EM GEOGRAFIA

Há oito anos, no dia 31 de março de 2006, obtive o título de mestre em Geografia pela Universidade Federal do Paraná. Curiosamente, não lembrei que no dia 26 de março completaram-se 3 anos que obtive o grau de Doutor em Geografia, pela mesma universidade. Passados estes 10 anos desde que me aventurei na pesquisa acadêmica, imagino que é chegada a hora de partir para novas aventuras. Este ano, se tudo correr bem, lançaremos eu, Luis Lopes Diniz Filho e Anselmo Heidrich nosso primeiro livro conjunto, com ensaios de geografia que provam que há vida além da esquerda na geografia humana. Espero que seja o primeiro de uma longa série.  Aproveito a data para agradecer ao Luis pela orientação e ajuda fundamental na obtenção deste título, e aos demais membros da banca pelas contribuições que deram ao trabalho. Agradeço também à minha família, que sempre esteve ao meu lado e me incentivou a persistir em minhas escolhas. Por enquanto é isso.

MERCADO DE CARROS NO BRASIL

Imagem
Por Fernando R. F. de Lima. Outro dia, gozando de tempo livre e falta do que fazer, fui analisar os dados de mercado para tentar compreender melhor porque quem é o que é no mercado nacional. As perguntas básicas são: Porque a participação da Renault não aumenta como o esperado? Será o Etios um fracasso de mercado? As vendas do HB20 vão alcançar as do Gol? Qual fábrica pode tirar da Fiat o posto de maior do Brasil? De modo geral, este texto é uma tentativa de responder a estas perguntas, analisando os dados de 2013, considerando também algumas informações relativas à capacidade de produção das fábricas no Brasil e Argentina. Antes de passar à análise das informações, é bom ter em mente algumas ideias básicas: primeiro, que o normal é que uma planta industrial trabalhe no máximo entre 70 e 90% de sua capacidade nominal. Isto porque erros sempre acontecem. Além disso, a rentabilidade de uma fábrica precisa de uma ocupação média de 70% de sua capacidade. Abaixo disso, pode-se dize