Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2013

BRASILEIRO GASTA MAIS TEMPO EM DESLOCAMENTO CASA-TRABALHO, APONTA ESTUDO DO IPEA.

Por Fernando R. F. de Lima.             O IPEA realizou um estudo com base nos dados da PNAD sobre deslocamento urbanos que indica que os brasileiros estão gastando mais tempo no deslocamento casa-trabalho na comparação com os dados de 2008. Para ficarmos nas conclusões, cito um parágrafo que julgo interessante: Do ponto de vista do tempo de deslocamento casa-trabalho, grande parte da população (66%) gasta até 30 minutos nesse percurso diariamente, mas há uma clara tendência de piora em função do crescente aumento da taxa de motorização da população, conjugado 17 com a falta de investimentos públicos nos sistemas de transporte público ao longo das últimas décadas.(IPEA, 2013) [1] Um percentual relativamente grande da população gasta menos de 30 minutos para realizar o chamado “commuting”, o que pode ser considerado um tempo relativamente baixo. Obviamente, as cidades onde este tempo é maior são as maiores: São Paulo e Rio de Janeiro. Engana-se, contudo, quem pensa que em São P

EVOLUÇÃO VERSUS NATURALISMO ou porque teólogos não devem se meter com matemática.

Imagem
Por Fernando R. F. de Lima.              No dia 14 de outubro foi publicado no Mídia sem Máscara um texto do teólogo Alvin Plantinga sobre a irracionalidade de se crer ao mesmo tempo no evolucionismo e no naturalismo, sendo este último o modo como ele define o ateísmo stricto senso, que nega até mesmo a causa primeira aristotélica ou outras formas de conceber o princípio do mundo. O autor, Alvin Plantinga, é professor do departamento de teologia de Yale e, aparentemente, esta sua argumentação, que vou reproduzir como citação longa, é uma importante contribuição para a desmistificação do ateísmo, principalmente, da irracionalidade de se crer em evolucionismo e naturalismo, como ele define, ao mesmo tempo. O  que me motivou a escrever este texto, contudo, é um grosseiro erro de interpretação da teoria da probabilidade que, uma vez corrigido, tira o embasamento da tese central do Plantinga. O cerne do argumento é o seguinte: Então considere qualquer crença particular da uma parte de

DESIGUALDADE DE RENDA E JUSTIÇA SOCIAL – A VIDA COMO ELA É

Por Fernando Raphael Ferro de Lima. Com o aperfeiçoamento dos métodos censitários e a melhoria das ferramentas estatísticas, uma preocupação nova entrou no ideário dos cientistas sociais: a desigualdade, antes algo abstrato, e a pobreza, manifesta na carência de meios mínimos para a sobrevivência, passaram a ter um novo amparo com as medidas de desigualdade de renda. Assim, as justiça social num país não se manifestaria apenas pela existência de boas leis, bom padrão de vida e boas oportunidades para levar a vida como bem entender: justiça social implicaria a menor desigualdade de renda possível. Para medir a desigualdade de renda se utiliza, usualmente, dois índices de concentração, sendo o mais “popular” o coeficiente de Gini. Com posse deste índice, diversos demagogos e ideólogos se puseram a declarar que as condições sociais melhoraram ou pioraram em função da maior ou menor desigualdade entre as rendas das pessoas. Sociedades mais justas teriam menor desigualdade de renda,