Subsídios para sua resposta ao meu e-mail: Campanha São Paulo respirando melhor

 
Caro sr. Vereador,
 
ainda não obtive resposta. Seguem abaixo alguns subsídios: Estudo revela poluição elevada em seis capitais.
 
Atenciosamente,
 
Gerhard Erich Boehme
gerhard@boehme.com.br
(41) 8411-9500
 
 
Estudo revela poluição elevada em seis capitais


Um estudo feito em seis capitais brasileiras revelou que nenhuma delas atende ao padrão da Organização Mundial de Saúde para poluição do ar. Segundo pesquisa do Laboratório de Poluição Atmosférica Experimental da USP, São Paulo ainda é a capital mais poluída do Brasil, mas Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte e Recife não podem se orgulhar por terem ar limpo.
Medições realizadas entre maio e julho deste ano mostram a situação desfavorável em todas elas. O estudo, obtido com exclusividade pela Folha, analisa o poluente material particulado fino (mistura de poeiras e fumaça). A principal fonte de emissão do poluente são os veículos (...) http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u330220.shtml

Esta notícia saiu na Folha de São Paulo. A última frase que eu recortei refere-se aos veículos. O detalhe não mencionado é que do particulado fino, a poeira é levantada pelos pneus dos veículos e também pela presença de ruas sem pavimento. A fumaça, do tipo que vira particulado fino, é resultado sobretudo da chamada queima incompleta, que é muito mais freqüente nos motores diesel que nos motores otto, isto é, nos veículos pesados como caminhões, ônibus e caminhonetes, já que os automóveis são impedidos de usar esse combustível.
Outro fator interessante é que nos motores otto, isto é gasolina, GNV e álcool, a emissão de fumaça, mesmo aquela azulada, não se transforma em particulado fino. O problema maior são os gases. Isto quer dizer que grande parte do problema da poluição, principalmente esta, por particulados, está relacionado aos veículos pesados, não aos automóveis de passeio. Isso a Folha não diz.
É claro que os automóveis contribuem para a poluição do ar, no entanto, sua contribuição é muito diferente. Um exemplo claro pode ser o da própria cidade de São Paulo, que nos anos 1970 tinha um ar mais poluído que dez anos depois quando da adoção do álcool como combustível e, principalmente, como aditivo da gasolina. A poluição por particulados decresceu rapidamente, e tem permanecido nos níveis de então em função, sobretudo, do pavimento ruim e incompleto.
Mais um ponto controverso, é que a medição foi realizada num período em que a maior parte das cidades mencionadas está há vários dias sem chuvas, o que agrava o problema da poeira, já que ela se torna mais fina, portanto mais leve, e mais passível que ficar em suspensão no ar. Hoje, aqui em Curitiba, depois da chuva da madrugada, já é possível perceber a melhoria na qualidade do ar. Torna-se claro que esta é uma reportagem enviesada. O grande responsável pela poluição urbana é o poder público displicente. Isso a Folha também não diz. É mais fácil jogar a culpa nos cidadãos e atacar o transporte individual, realizando um trabalho de convencimento de que a alternativa é o coletivismo, principalmente o transporte coletivo estatal ou dos oligopólios administrados.

 
Fonte: Fernando Raphael fernandoraphaelferro@yahoo.com.br
 
 
 
----- Original Message -----
Sent: Friday, August 24, 2007 11:00 AM
Subject: Campanha São Paulo respirando melhor - Comentários e sugestões


 
Para:
Vereador Gilberto Natalini
Câmara Municipal de São Paulo
Viaduto Jacareí, 100 - 4º andar - sala 415
tel.: (11) 3396-4405
e-mail: natalini@camara.sp.gov.br
site:
www.natalini.com.br

 
 
Caro Sr. Vereador Natalini,

sou especialista, professor e consultor na área de gestão, incluindo a Agenda 21 Local, e na área de gestão de energia, e observando a iniciativa da "Campanha São Paulo respirando melhor", reconheço que é uma excelente iniciativa, a sua iniciativa dignifica o papel de um Vereador. Sou também da opinião que alguns erros podem estar sendo cometidos ou pode estar ocorrendo a perda do foco em temas que infelizmente são negligenciados, em especial pelas nossas autoridades, estas que, ao contrário de sua pessoa, não estão comprometidas em mudar a realidade da milhões  vítimas da poluição de grandes cidades como São Paulo e/ou com a triste realidade que virá no futuro dos mais de 30 milhões de fumantes brasileiros, potenciais candidatos a uma infinidade de doenças, já que são comprovadamente atribuídas ao tabaco 45% das mortes por doença coronariana (infarto do miocárdio), 85% das mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema), 90% dos casos de câncer de pulmão, 25% das mortes por doença cérebro-vascular (derrames) e 30% das mortes por câncer.
 
Solicito a análise das seguintes considerações para que a "Campanha São Paulo respirando melhor" tenha maior eficácia e não esteja somente restrita ao combate do tabagismo, mas sim voltada a melhor qualidade do ar em São Paulo:
  1. Apoio à conclusão e ampliação do Rodoanel - Falta de apoio às iniciativas que evitem a circulação de veículos cortando e cruzando a cidade de São Paulo, o que inclui a conclusão das obras do Rodoanel, o que deve incluir a participação da iniciativa privada, através de novas concessionárias. Tirando de circulação pela cidade centenas de milhares de veículos por dia seguramente a qualidade do ar tenderá a melhorar.

  2. Rechaçar a cultura da lombada - Devemos evitar a "cultura da lombada", uma cultura tipicamente brasileira, que tanto contribui para causar danos nos veículos, em especial nos escapamentos, sem contar que as lombadas exigem baixas velocidades ou mesmo a parada do veículo, acarretando maior consumo de combustível e conseqüente produção de gases tóxicos.

  3. Eliminação dos rodízios - Os rodízios apenas reforçam a cultura do atuar no efeito e não na causa, tal qual a cultura da lombada. Devemos rechaçar a prática do rodízio, pois esta levou o paulistano a ter em vez de um veículo novo  - pouco poluidor, dois veículos mais usados e poluidores, normalmente com catalisadores já vencidos. O rodízio apenas concorre com o aumento da poluição e conseqüentemente com o aumento das doeças respiratórias.

  4. Ocupação do solo (1)- Com a prática adotada pelo paulistano e munícipes da Região, o que vemos  é a maior ocupação do solo para "depositar" estes veículos, transformando extensas áreas que poderiam ser destinadas à vegetação serem destinadas a estacionamentos. A população de São Paulo deveria apoiar a construção de estacionamentos subterrâneos, como adotado na maioria das grandes cidades da Alemanha, liberando as áreas na superfície para o verde. 
     

  5. Ocupação do solo (2) - A Câmara de Vereadores de São Paulo, sempre voltada a criar mais uma forma de extorquir o paulistano, seja através de taxas, seja através de mais impostos, deveria conceder redução do IPTU àqueles que optam por construir garagens subterrâneas, liberando espaços para mais verde e qualidade de vida. É uma revolução que poderia ser feita em São Paulo, basta vontade política e abrir mão de recursos para suas benesses políticas e práticas clientelistas.
  6. Ocupação do solo (3) - Combater a "cultura do paulistano" de tornar o solo impermeável, sempre optando por substituir o verde por lajotas ou cimento. Em Curitiba, os paulistanos, e seus vizinhos do ABCD..G, que para cá vieram em busca uma vida melhor, logo são alvo de piada, pois aqui  são facilmente identificados pelos curitibanos, seja pela falta de educação no trânsito, seja pela sujeira que jogam nas ruas ou ainda pela forma como constroem suas residências, com muito cimento e sem verde.
  7. Ocupação do solo (4) - Incentivar a ampliação de áreas verdes, substituindo trechos de ruas sem saída ou ruas com baixo fluxo de tráfego por calçadas com amplas áreas verdes.
  8. Eliminação dos depósitos de veículos fora de circulação - Denunciar a conivência de nossas autoridades com inúmeros depósitos de veículos fora de circulação, como pátios dos DETRANs e Polícias (Rodoviária e Civil), o que constitui, além da incompetência de nossos executivos e  judiciários, também um grave desperdício de recursos, pois muitos veículos poderiam estar em circulação, atendendo a necessidade da população, o que requer maior agilidade entre a apreensão e o leilão dos mesmos, o que, quando realizado, é um leilão de sucata ou leilão de veículos obsoletos.
  9. Urgente implantação da inspeção veicular obrigatória - A falta da prática da inspeção veicular obrigatória, em especial de veículos com mais de 5 (cinco) anos de vida, que na maioria das vezes não sofrem a manutenção adequada - manutenção adequada exige a troca dos catalisadores - e, portanto, trafegam a velocidades menores ou quebram, tornando-se obstáculo a um trânsito mais veloz, o que não quer dizer com velocidades acima da máxima permitida, mas sim uma velocidade em que o consumo de combustível é menor. Vale lembrar que o Brasil é uma piada no que se refere a inspeção dos veículos em circulação - um crime - a inspeção é essencialmente visual, quando é feita. O correto, como é feito nos principais países do mundo, é a utilização de equipamentos para fazer verificações nos sistemas que afetam a segurança dos veículos e medição do efluente gerado.
  10. Implantação e implementação em áreas piloto - Que a "Campanha São Paulo respirando melhor" seja iniciada em áreas pilotos, de forma que se possa avaliar melhor o grau de adesão por parte da população e assim contar com a empatia da mesma, face aos resultados obtidos. Deve-se considerar, em especial, os recursos públicos gastos, já que serão menores, deixando por conta da mídia a divulgação do sucesso da iniciativa piloto, bem como deixando por conta da população a livre iniciativa de promover a "Campanha São Paulo respirando melhor" em seu bairro ou Regional. Uma alternativa seria concentrar os esforços em uma dada Regional, com a obtenção de resultados mais eficazes, seja em função da concentração de esforços ou utilização dos recursos públicos.
  11. Princípio da Subsidiariedade - É uma triste realidade a não observação do Princípio da Subsidiariedade, já que a rígida observação deste princípio deveria nortear todas as iniciativas dos políticos de nosso país, se é que os nossos políticos querem realmente um país melhor, e não apenas mais poder e vantagens econômicas para os políticos corruPTos e clientelistas. Resta saber se nossos políticos entendem a importância e o significado deste Princípio e de como ele é fundamental para criação de um país mais justo.
  12. Foco na Classe Média - Devemos deixar de lado a administração do transporte público focando apenas o cidadão de baixa renda, quando sabemos que se este for de melhor qualidade contará com a adesão de importante parcela da classe média, esta tão desprestigiada, como bem nos lembra o Professor Dr. Stephan Kanitz (FEA/USP), nacionalmente conhecido como colunista em importantes jornais e revistas de circulação nacional, já nos vem alertando para a causa da má gestão pública:

    http://www.kanitz.com.br/impublicaveis/defesa_da_classe.asp 

    Vale lembrar que Curitiba foi e é exemplo nesta questão, além de gerar inúmeros empregos, beneficiando parcelas mais desfavorecidas da população. Não devemos esquecer que não são políticas públicas que geram emprego, mas sim o fortalecimento da classe média, em especial desonerando-a de impostos e estimulando a concorrência, sendo este um dos mais dignos papéis do Estado, em especial através do fomento às incubadoras. Sendo esta uma importante questão que devemos alertar os atoleimados de esquerda, em especial o atual "ocupante" dos Palácios da Alvorada e do Planalto, onde quase não aparece para trabalhar, bem como da "Granja do", de onde sai, "Torto", quando não está em turismo proferindo "palestras" em um português torpe e demagógico, colocando parcelas da sociedade uns contra os outros e dividindo-a em função da cor da pele. Faz turismo com seu seguro avião de US$ 56 milhões, o  Airbus de ACJ-319 (o da TAM era A320), o qual não pousa nos aeroportos da cidade de São Paulo (Cumbica fica em Guarulhos) nos dias de chuva e muito menos com o reverso travado, sem contar que não necessita ser abastecido até a "boca", para fugir dos impostos excessivos cobrados em São Paulo.
  13. Apoio à Agenda 21 - A falta do entendimento de nossos políticos da importância de uma Agenda 21 Local efetivamente implantada e implementada é uma triste realidade. A Agenda 21 Local é vista por nossos políticos apenas como fonte de "recursos" para campanhas ou para a sustentação de ações de políticos corruPTos e clientelistas, ou como ocorre agora, servindo de motivo para campanha para a reeleição 2+1=3 (www.bb.com.br), sendo usada de forma subliminar. A "Campanha São Paulo respirando melhor" deveria estar incluída na Agenda 21 Local de São Paulo e dos municípios da Região Metropolitana. Se é que estas estão ativas!?
  14. Aplicação rigorosa da Lei (1) - Devemos exigir que nossas autoridades apliquem com rigor a Lei, em especial dotando as polícias rodoviárias, militares, civis e técnico-científicas com tecnologia para não deixar impunes aqueles que com seus veículos poluem o meio ambiente, em total desrespeito à Lei 9.605/98.
  15. Aplicação rigorosa da Lei (2) - Criação de regras de fiscalização mais claras e capacitação das Vigilâncias Sanitárias Estaduais e Municipais para a fiscalização da Lei 9.294/96.
  16. Educar os jovens - Educar melhor nossos jovens para que tenham conhecimento dos malefícios da poluição e não apenas do tabaco para a saúde.
  17. Divulgar - Debater com maior intensidade os temas ligados a esta área. É inaceitável que especialistas de renome, como o brasileiro, médico pneumologista, Abraham Bohadana (veja considerações abaixo) não seja reconhecido no Brasil e nos possa apresentar suas brilhantes palestras sobre o tema "combate ao tabagismo". Pessoas como ele deveriam ser um ícone nacional. É um brasileiro que deveria estar sendo consultado por todas as revistas especializadas, jornais, televisão, usw.. em especial pela forma séria, comprometida  e divertida como trata o assunto
 
Lamento, mas como cidadão paulista - jordanense (natural de Campos do Jordão  - outrora com um dos melhores ares do mundo), hoje residindo em e apaixonado por Curitiba, vejo que São Paulo, quer seja o Estado, quer seja a Capital, continuam sendo muito mal administrados, em especial no tocante a segurança pública, ensino fundamental e gestão ambiental, o que inclui também todas as ações necessárias para que os moradores de São Paulo tenham uma vida melhor, mais digna e mais longa.
 
"O tabagismo ainda é responsável por milhões de mortes em todo o planeta. É preciso cortar esse mal pela raiz, prevenindo o acesso dos jovens ao tabaco e oferecendo tratamento gratuito para quem deseja abandonar o vício" (Luizemir Lago - Diretora do Centro de Referência de Tratamento de Álcool, Tabaco e outras Drogas - Cratod)
 
"É indecente e inaceitável o Estado que gasta 40% do PIB e falha nas suas funções básicas, pois é incapaz de garantir as vidas e as propriedades dos seus cidadãos". (Humberto Marques)

 
Quanto a frase acima, vou mais além, entendo a vida, a propriedade  e a liberdade como sinônimos, pois exige que entendamos a Filosofia da Liberdade: http://isil.org/resources/introduction-portuguese.swf, onde a propriedade é a nossa liberdade, ou de nossos pais, no passado e a vida é a nossa liberdade, que deixamos de ter no futuro.
 
Já que a Campanha conta com o apoio de importantes entidades que focam o tabagismo, aproveito para lhes recomendar a leitura e divulgação de um excelente livro: "JEST - The Jewish Earnest Way to Stop Tobacco Smoking" (http://jestonline.com/index.php), escrito pelo médico pneumologista Abraham Bohadana (bohadana@u420.nancy.inserm.fr), brasileiro radicado em Nancy, França. Ele é autor também do livro "O Tabagismo. Da Prevenção à Abstinência" (Tabagisme: de la prévention au sevrage).
 
Este livro, embora direcionado a membros da comunidade israelita, deveria ser traduzido e adaptado e de leitura obrigatória de fumantes cristãos e de outras confissões religiosas, bem como de todos que militam na área voltada à saúde, em especial a respiratória.

 
Atenciosamente,

Gerhard Erich Boehme
gerhard@boehme.com.br
(41) 8411-9500
Caixa Postal 15019
80531-970 Curitiba - PR

 
-----Mensagem Original-----
Enviada em: quarta-feira, 22 de agosto de 2007 08:12
Assunto: Convites

 

Temos a honra de convidar para os seguintes eventos:

 

28/08 - 9:00h às 13:00h 

São Paulo livre do fumo: Lançamento da Campanha São Paulo respirando melhor

Apoio: ADESF, ACTbr, CRATOD, COMUDA e AMATA

Local: Câmara Municipal de São Paulo - Viaduto Jacareí, 100 - Salão Nobre - 8º andar.

Confirme sua presença através dos e-mail´s: natalini@camara.sp.gov.br ou comuda@prefeitura.sp.gov.br ou pelo telefone 3113-9641.

 ___________________________________________________________________________

 

10/09 - 13:30h às 17:00h

XIX Ciclo de Debates Município Saudável - Saúde, Esporte e Qualidade de Vida.

Composição da Mesa:

Mediador: Vereador Natalini

Debatedores: Secretário Municipal de Esportes, Lazer e Recreação Sr. Walter Feldman, Dra. Sonia Tucunduva Philippi - Nutricionista/ Docente e Pesquisadora da FSP/ USP e Sr. Luis Carlos Oliveira - Professor de Educação Física, Represetnante do CELAFISCS e Coordenador do Programa Agita Sampa.

Local: Câmara Municipal de São Paulo - Viaduto Jacareí, 100 - Sala Sergio Vieira de Mello.

___________________________________________________________________________

 

22/09- 8:00h às 18:00h

3º Encontro Nacional de Psoríase, 5º Encontro Municipal de Psoríase e 1º Encontro Municipal de Vitiligo.

Local: Câmara Municipal de São Paulo - Viaduto Jacareí, 100 - Todos os espaços
Inscrições pelo site
www.natalini.com.br

Para maiores informações entre em contato no telefone 3396-4405.

___________________________________________________________________________

22/09 - Dia Mundial Sem Carro e Virada Esportiva.

Melhorar a qualidade do ar e principalmente a qualidade de vida dos cidadãos de São Paulo, são os principais objetivos do Dia Mundial sem Carro.  Foi lançada nesta quarta-feira (8) a programação do Dia Mundial Sem Carro. Marcado para 22 de setembro, o evento será realizado pelo terceiro ano consecutivo na Cidade de São Paulo. Em 2007, as atividades estão sendo organizadas pelo Movimento Nossa São Paulo e contam com o apoio da Prefeitura e de 250 entidades.  

A programação deste ano contará com duas novidades: para que mais pessoas se envolvam com a idéia, a agência de propaganda Lew Lara veiculará comerciais e anúncios em rádios, televisões e jornais. Na data do evento, a Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação, através do Secretário Walter Feldman, vai realizar a Virada Esportiva, com centenas de atividades em diversos espaços públicos, academias de ginásticas, unidades do Sesc, da ACM e nas 31 Subprefeituras da Cidade. O Dia Mundial Sem Carro já é comemorado por cidades de vários países, sempre em 22 de setembro. O movimento nasceu na França, em 1997, e passou a ser realizado em São Paulo a partir de 2005, já durante a atual administração municipal.

O Dia Mundial Sem Carro é coordenado pela Secretaria Municipal de Verde e Meio Ambiente, através do Secretário Eduardo Jorge e desde 2006 faz parte do Calendário Oficial de eventos da Cidade.

Em relação à Virada Esportiva que será realizada no mesmo 22 de setembro, primeira vez que o evento será feito na Cidade. Serão 24 horas de atividades esportivas ininterruptas, começando às 14h do sábado, 22 de setembro, e terminado às 14h do dia seguinte. "A iniciativa espelhou-se na Virada Cultural , afirmou Walter Feldman.

 

Viva um Dia diferente! Partipe com sua famíla, chame seus amigos e participe da Virada Esportiva.

informações: www.prefeitura.sp.gov.br/seme ou www.natalini.com.br

Em vários locais da cidade de São Paulo

___________________________________________________________________________

 

 

Gabinete do Vereador Natalini

Câmara Municipal de São Paulo

Viaduto Jacareí, 100 - 4o andar - sala 415

tel: 33964405

e-mail: natalini@camara.sp.gov.br

site: www.natalini.com.br

 

 

 

A3P

Imprima somente o necessário. Reduza, recicle, reutilize!

 

 

Caso não queira mais receber nossas mensagens, retorne com a palavra excluir no campo assunto.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE ALGUNS PRODUTOS CUSTAM TÃO CARO NO BRASIL?

O PROBLEMA DO DÉFICIT HABITACIONAL - PARTE 2

O ELEITOR BRASILEIRO E O EFEITO MÚCIO