Confirmando meu post anterior

       Confirmando meu post anterior, segue o link abaixo, descrevendo os inúmeros lugares na cidade de São Paulo e sua Região Metropolitana onde é grande o número de ciclistas que usam a bicicleta diariamente. O número de bicicletas está crescendo, mas não é de hoje. E há mais: ele sempre foi grande. Nós é que nos acostumamos a ignorar a presença das bicicletas na rua. Hoje, ainda, há o caso do acidente entre um ciclista e o filho do Eike Batista, que seguia pela rodovia com seu SLR Mclarem de 2,4 milhões de dólares quando bateu e matou um ciclista pobre que trabalhava como ajudante de caminhoneiro. 
        Obviamente, é uma fatalidade a que todos (que dirigimos e pedalamos) estamos sujeitos, e o rapaz com o pai mais rico do Brasil não estava bêbado e talvez nem mesmo estivesse em excesso de velocidade. Mas o fato é que se houvesse uma "estrada" para ciclistas paralela à rodovia, mais esta morte poderia ter sido evitada. Mas imagine só, fazer uma caminho de 2,5 metros de largura ao lado das rodovias só para alguns pobres e excêntricos andarem de bicicleta? Infelizmente, este é o pensamento da maioria. Na Alemanha é possível viajar de bicicleta sem dividir espaço com automóveis em rodovias, que a propósito, sequer tem limite de velocidade, porque não há a possibilidade de haver animais, ciclistas e pedestres compartilhando este tipo de via.
         Só para fechar o post, gostaria de comentar que este fim de semana fui à praia, em Guaratuba, no Paraná. Dois comentários que acho dignos de nota. O primeiro é que fizeram algumas obras na cidade. Uma delas foi para desviar o tráfego de caminhões da orla, que agora tem uma rota por fora da cidade, ou quase, para chegar ao mercado municipal e ao ferry-boat. Acertadamente, lembraram de separar uma das faixas da pista para ciclistas, além de colocarem sinalização indicando este tipo de tráfego. Para completar, só faltou controlar o limite de velocidade, que foi estabelecido em 60 km/h (o que eu acho baixo, mas dada a presença de ciclistas, é justificável. A segunda coisa é que na volta para casa vimos dois acidentes na estrada: um caminhão tombou na BR-101, logo após Garuva, antes da subida da serra do mar e, já em São José dos Pinhais, dois carros e um caminhão bateram, aparentemente sem vítimas fatais. Agora, sinceramente, num trajeto de apenas 130 km ver dois acidentes potencialmente graves na estrada mostra o quanto nossos motoristas são incompetentes, nos autoridades são incompetentes e nossas estradas são absolutamente inseguras.

http://www.motonline.com.br/descobriram-que-tem-bicicletas/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE ALGUNS PRODUTOS CUSTAM TÃO CARO NO BRASIL?

O ELEITOR BRASILEIRO E O EFEITO MÚCIO

O PROBLEMA DO DÉFICIT HABITACIONAL - PARTE 2