Aquisição recente

Nesta última semana comprei um Opala 1978, amarelo, como é possível ver nas fotos que seguem. O fato de defender cidades mais sustentáveis, com melhores opções de transporte para facilitar a mobilidade das pessoas não é motivo para que eu me transforme num destes xiitas raivosos que odeiam tudo que se move em quatro rodas. Não é meu caso. Tenho carteira desde os 18 anos; comprei meu primeiro carro aos 21 anos e sei dirigir desde os 14 anos. Estas questões todas me fazem um apaixonado por estas máquinas fascinantes que foram inventadas para a locomoção. Gosto muito de automóveis. Desde criança leio revistas sobre o assunto e sou assinante da Quatro Rodas. Também acompanho sempre o site Best Cars, que na minha opinião é o melhor sobre o assunto. Adoro motos também, uma paixão tardia, já que apesar de ter aprendido a andar ainda adolescente, só me apaixonei por motos mesmo depois de grande, aos 23, quando meu irmão tirou a carteira e comprou sua primeira moto. Na sequência comprei uma para mim, e desde então sempre estou com ela na garagem.



Outra paixão minhão são as bicicletas. Tenho quatro em casa; uma da minha filha, uma da minha esposa e duas que me pertencem, sendo uma montain bike e uma speed, como chamam, destas de estrada. Veículo prático, leve e extremamente eficiente, sempre que posso uso (em geral, quando não há problema em chegar suado e há lugar disponível para estacionar). Agora, além do carro que minha esposa usa quase diariamente, comprei este opala, que apesar das fotos, está em péssimo estado. Vou consertá-lo, deixá-lo em ordem, usar um tempo e talvez vendê-lo. Obviamente, um carro de 4,70 metros de comprimento com quase 1,9m de largura não é carro pra se usar todo dia. Mas qual carro foi feito pra usar todo dia? Pra cada dia, cada momento, cada tarefa, há uma opção melhor, mais rápida, mais barata ou mais eficiente.

Comentários

INTERCEPTOR disse…
Belo carro.

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE ALGUNS PRODUTOS CUSTAM TÃO CARO NO BRASIL?

O ELEITOR BRASILEIRO E O EFEITO MÚCIO

O PROBLEMA DO DÉFICIT HABITACIONAL - PARTE 2