ERROS ESTRATÉGICOS E O ETERNO RETORNO


Por Fernando R. Ferro
Terminais ficam vazios com greve de ônibus em CuritibaNesta última semana de janeiro, para encerrar o primeiro mês de 2015 e como que num resumo do que será este ano, os motoristas e cobradores do transporte coletivo da cidade resolveram realizar uma paralização durante dois dias. De acordo com a categoria, o motivo foi o não pagamento do “vale”, um adiantamento salarial no valor de R$ 16 milhões, decorrente do atraso nos repasses por parte da prefeitura às empresas de ônibus. O prejuízo gerado pelas externalidades da paralização calculado pelas associações patronais do comércio e indústria, medido pelas abstenções ao trabalho e custos com o deslocamento de funcionários e perdas de produtividade chegaram, segundo disseram, a R$ 500 milhões.
Obviamente, a grande culpa por este caos é da má administração de Gustavo Fruet que vem cometendo uma séria de erros estratégicos na gestão do transporte coletivo desde que assumiu. Em meu blog, são inúmeras as críticas ao modelo de gestão do transporte coletivo da cidade. Mas uma coisa era fato: até 2011 os sistema, aos trancos e barrancos, funcionava. Ao menos funcionava muito melhor que o de todas as cidades brasileiras.
No início de sua gestão, no entanto, impulsionado por uma pretensão de implantar uma imagem de que as gestões anteriores eram corruptas e de que o preço da passagem era elevado por causa do cartel dos ônibus, a gestão Gustavo Fruet e seus vereadores recém empossados deram início a uma CPI para rever os contratos. E embalados pelos protestos de 2013, a prefeitura se apressou, antes mesmo que os protestos chegassem à Capital, em reduzir o preço da tarifa de R$ 2,85 para R$ 2,70, quando o correto, já naquela época, seria aumenta-la para R$ 3,00, segundo os cálculos da tarifa técnica.
Pode-se argumentar um monte de coisas em relação à tarifa técnica, mas o fato é que seu cálculo é o que rege os contratos, e a menos que se rompam todos os contratos e indenizem na forma de lei as partes, eles continuarão válidos. E ninguém conseguirá fazer isto em quatro anos e continuar governando. Portanto, é suicídio político tentar. Fruet tentou apostar nesta via e logo desistiu, mas com isso sacrificou os dois primeiros anos de seu governo.
O grande desperdício de tempo é que agora, em 2015, durante a greve de ônibus, estaremos indo para o segundo aumento da tarifa em menos de três meses: o prefeito anunciou que nesta sexta feira dia 30 a passagem passaria a R$ 3,00, sendo que em novembro ela subiu para R$ 2,85, patamar do qual nunca deveria ter saído. O custo de não ter feito isso em 2012, quando era a hora correta (hoje o preço deveria ser R$ 3,30 e não R$ 3,00), foi ter colocado todas as contas da prefeitura numa situação gravíssima.
Por conta de sua gestão atrapalhada, dívidas se acumulam, de modo que o atraso nos repasses para o maior hospital privado da cidade, o Hospital Evangélico, o colocaram em situação falimentar, levando a uma intervenção do Ministério do Trabalho que colocou em situação de completa insegurança todos os estudantes da Faculdade Evangélica que é mantida pela mesma instituição, além de ter deixado milhares de funcionários com os pagamentos atrasados durante meses. Da mesma forma, vários foram os atrasos nos pagamentos às prestadoras de serviço, em especial a empresa de coleta de lixo e àquelas que fazem a manutenção de canteiros e poda de árvores.
Curitiba hoje é uma cidade em que a grama cresce sem poda há vários meses nas calçadas e parques mantidos pela prefeitura, e que as árvores bloqueiam a vista de placas e sinais de trânsito, uma vergonha para nós moradores que sempre fomos orgulhosos na manutenção de nossas vias. Da mesma forma, buracos aparecem nas vias e levam meses para serem fechados, calçadas são destruídas e não reparadas, obras públicas começam e não terminam por falta de verbas e lâmpadas de postes que levavam 24 horas para serem trocadas hoje levam meses, deixando ruas no breu, apesar da taxa de iluminação pública continuar sendo cobrada.
A falta de recursos públicos decorre em parte da própria desorganização das finanças do governo federal, o que atrapalha os repasses para os municípios. Mas os pesados subsídios dados hoje ao transporte coletivo em Curitiba são uma das principais razões pelas quais a cidade não tem recurso para sua própria manutenção. Os aumentos atuais no transporte coletivo poderiam ter sido constantes e graduais, obedecendo a lógica, acompanhando a alta dos preço de seus insumos; se os salários dos motoristas e cobradores aumentam, se o preço do diesel aumenta, se o preço dos ônibus aumenta, obviamente o preço da passagem deve subir. No entanto, por razões populistas, estes custos foram ocultados da população e os preços represados. Para manter uma passagem já cara com o preço congelado, sacrificaram os serviços de manutenção, educação e saúde, além de abordarem os investimentos. Agora, o preço terá que ser reajustado não para permitir que tudo volte ao normal, mas apenas para impedir que tudo pare e que as coisas permaneçam no caos que estão.

Por estas e outras razões, a escolha mais mal acertada de prefeito que a cidade de Curitiba já fez, depois da eleição de Roberto Requião na década de 1980, foi Gustavo Fruet e sua vice do PT em 2011. Espero que no ano que vem o curitibano pense um pouco mais e escolha um pouco melhor o próximo prefeito. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ELEITOR BRASILEIRO E O EFEITO MÚCIO

RESENHA – O PROCESSO CIVILIZADOR: uma história dos costumes vol. 1 de Norbert Elias. Jorge Zahar Editor

A Sociedade Aberta