O LEGADO DE THATCHER



Por Fernando R. F. de Lima
Não sendo grande conhecedor da biografia pessoal da ex-primeira Dama britânica, me atrevo a escrever sobre seu legado para o mundo como um admirador e militante da causa liberal. Em minha opinião, o maior legado de Thatcher foi mostrar ao mundo que uma política de redução do tamanho do Estado é viável mesmo numa sociedade absolutamente intoxicada por ideias socialistas. Ela levantou a bandeira do bom senso, que diz que as pessoas devem lutar por aquilo que desejam e não esperar que caia do céu, seja um objeto de luxo, seja o pão (ou o leite) de cada dia.
Thatcher também foi uma grande defensora do Estado Nacional, contra a União Europeia ou a ONU no que diz respeito a direitos e deveres na comunidade internacional. Não tolerou a agressão da Argentina, utilizando o poder da dissuasão militar para mostrar que a soberania de um país deve ser sempre inviolável. Neste ponto, apesar da redução do tamanho do Estado na economia, manteve a importância desta na manutenção da Lei, da Ordem e da Soberania Nacional.
Thatcher não teve medo de enfrentar a oposição cultural, nem de lutar contra o crime organizado travestido de sindicalismo. Defendia em alto em bom tom seus ideais liberais, que dão valor à livre iniciativa, ao trabalho e a capacidade de inovar, inventar e correr atrás da própria sobrevivência que existe em cada um de nós. Neste ponto, ela não tratou o povo como idiotas dependentes de proteção, mas como cidadãos autônomos capazes de perseguir seus próprios objetivos.
A Dama de Ferro entra para história mundial como a mulher que mostrou aos homens que é possível outro mundo é possível, desde que significa mais liberdade e não mais Estado. Um mundo em que o conceito de justiça se aplica à ideia de que todos são iguais perante à lei, por mais únicos que sejam em seus objetivos e resultados. Este é o único igualitarismo que funciona, e foi por meio de sua aplicação em larga escala, em todos os setores da vida social, que Thatcher conseguiu tirar a Inglaterra de uma longa decadência que se estendia desde a segunda guerra mundial.
Na minha opinião, repito, de admirador desta senhora, este é o legado que devemos valorizar. Quem sabe um dia no Brasil um senhor ou uma senhora terão coragem de repetir estes passos e colocar nosso país na rota do desenvolvimento de uma vez por todas.

Comentários

INTERCEPTOR disse…
Valeu... "Thatcher não teve medo de enfrentar a oposição cultural, nem de lutar contra o crime organizado travestido de sindicalismo."

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE ALGUNS PRODUTOS CUSTAM TÃO CARO NO BRASIL?

O ELEITOR BRASILEIRO E O EFEITO MÚCIO

O PROBLEMA DO DÉFICIT HABITACIONAL - PARTE 2