DESAFIOS DO PRÓXIMO PREFEITO DE CURITIBA



Por Fernando R. F. de Lima

O Sr. Gustavo Fruet, eleito prefeito de Curitiba neste último fim de semana, terá uma série de desafios a enfrentar. Um deles, não desprezível, é dar continuidade ao que vem sendo feito sem comprometer com isso suas propostas de mudança. Isso porque, ao longo dos últimos 24 anos, Curitiba tem sido governada por um mesmo grupo, o que trás benefícios e também certos vícios administrativos. Como mudar o que deve ser mudado sem alterar o que deve continuar? Quais políticas deverão ter continuidade?
As políticas públicas que eu considero mais nocivas à cidade serão mantidas: entre elas está o "Armazém da Família", que é um mercado mantido pela prefeitura que vende certos gêneros alimentícios a preço de custo. Em relação as postos de saúde, provavelmente a política de ampliação da rede também deve continuar, apesar de saber que no atual estágio de desenvolvimento da cidade o mais importante é trabalhar em ações preventivas.
Mas dois problemas são fundamentais para qualquer prefeito, uma vez que as margens de manobra no diz respeito a saúde e educação são pequenas: o transporte coletivo e o trânsito. Sobre o primeiro tema, o prefeito eleito já prometeu que aumentará a frota circulante nos horários de pico. Isso irá resolver o problema de lotação? Irá reverter o desconforto causado pelo comportamento dos motoristas de ônibus? Irá tornar o transporte coletivo mais atrativo que o individual? Duvido muito. Mais ônibus na rua nos horários de pico só irá piorar o trânsito. Soluções óbvias são, normalmente, idiotas. 
Enfrentar o problema do transporte coletivo significa enfrentar as grandes empresas de ônibus e o monopólio da estatal chamada Urbs. O sistema atual, conforme já comentei várias vezes neste blog, sofre de um conflito de interesses: o melhor cenário para a Urbs é diferente do melhor cenário para as empresas de ônibus, que por sua vez difere do melhor cenário para o usuário. Enquanto não forem ajustados estes três interesses contraditórios, não serão resolvidos os problemas do transporte coletivo, que para ficar nos três maiores, são a lentidão das viagens, o desconforto causado pela lotação e a queda de arrecadação e do número de passageiros, que torna o sistema cada vez mais caro e pior.
Quanto ao problema do trânsito, sua resolução passa, também, mas não apenas, pelo problema do transporte coletivo. Antes de qualquer melhoria no transporte coletivo, medidas simples (mas não óbvias) podem ajudar a melhorar o trânsito. Criar ciclorotas na cidade, reduzir vagas de estacionamento, substituindo-as não por estreitas faixas adicionais, mas por ciclofaixas e ciclovias, e impor regras punitivas, não necessariamente pecuniárias, para motoristas infratores, irá melhor muito o trânsito. Impedir estacionamento irregular, disciplinar melhor os motoristas de ônibus para impedir o bloqueio de cruzamentos, implantar novas passagens em desnível e facilitar e tornar mais seguro o uso de motocicletas, bicicletas e a prática do pedestrianismo são medidas que certamente farão mais pelo trânsito do que os atuais binários.
Vou finalizar o texto trazendo à tona outra questão que muito me incomoda: o papel da Guarda Municipal. Atualmente ela é, na prática, uma força policial. Sendo assim, a prefeitura pode "patrulhar" ostensivamente, utilizando este efetivo, todos os principais eventos da cidade. Feiras livres, apresentações culturais, eventos nos diversos teatros públicos e lugares mais ermos podem e devem contar com a presença da guarda municipal, sobretudo para inibir a atuação do bandido ocasional, a extorsão praticada pelos "guardadores de carros" e para fazer cumprir as determinações de respeito à ordem pública que deve prevalecer na cidade (como som alto, por exemplo). Sem atuar nestes problemas (trânsito, transporte coletivo e segurança), a próxima gestão tem grandes chances de ser pior do que suas anteriores, que apesar dos vícios adquiriram grande experiência nestes últimos 24 anos, e fizeram a cidade funcionar bem.

Fernando R. F. de Lima
www.democraciaeliberdade.blogspot.com
Homo sum humani nihil a me alienum puto

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE ALGUNS PRODUTOS CUSTAM TÃO CARO NO BRASIL?

O ELEITOR BRASILEIRO E O EFEITO MÚCIO

O PROBLEMA DO DÉFICIT HABITACIONAL - PARTE 2